terça-feira, 15 de agosto de 2006

Festa de Yemanjá na Praia do Futuro - Fortaleza/CE

Tivemos a oportunidade de ontem (14/08) estarmos presente no início das comemorações da Festa de Yemanjá na Praia do Futuro. A Festa tem seu clímax no dia 15 quando centenas de terreiros, simpatizantes e curiosos se reunem para homenagear a Rainha do Mar.
Em Fortaleza, esta festividade umbandista, coincide com as comemorações religiosas para a padroeira da cidade, N. S. da Assunção. É feriado na cidade e a praia é literalmente tomada pelo colorido das roupas, onde o azul e branco imperam, os trabalhos espirituais, as oferendas mais diversas, tendo como fundo musical o som dos tambores e os cânticos (curimbas). Este ano, a organização do evento estima a presença de 150 mil pessoas, com a presença de terreiros de cidades do interior (Juazeiro e Baturité) e até de outros Estados.
Sempre tenho o costume de visitar o evento, no dia anterior (14) a noite, pois acho mais tranquilo e com condições melhores de prestar a minha homenagem, nem que seja, apenas com preces, meditações, reflexões, sentindo a força dos ventos e admirando a beleza do oceano. Acredito que a natureza é um grande santuário e que o contato com o Sagrado é pessoal, íntimo e intransferível. Se realiza e acontece na liturgias e ritos, no trabalho mediúnico, nos cânticos e danças, mas também no silêncio, na instrospecção (reflexão interior), no voltar para dentro de si mesmo e abrir as nossas mentes e corações para energias espirituais presentes nestes sítios vibratórios (mar, mata, cachoeira, pedreiras etc.).
Para que isto aconteça não importa dia e/ou hora específica, pois a fonte é abundante e basta estarmos em sintonia para acessá-la e receber os benefícios deste contato transcendente.
Evidentemente, que se uma coletividade religiosa define uma data específica para realizar este contato de forma mais atuante e especial, o mundo espiritual realiza o seu papel e proporciona todas as condições para o sucesso desta harmonização. É a Lei que se manifesta e age: quando uma ou mais pessoas estiverem reunidos em nome do Sagrado, do Divino este se fará presente.
Assim, como todos os filhos-de-fé, marquei a minha presença na praia e fui louvar Mãe Yemanjá.
Tive o prazer imenso de acompanhar os trabalhos espirituais do terreiro do caboclo Rei dos Índios (Tapinaré) e Mestre Sibamba de Mãe Balbina. Fui acompanhado do meu filho Rômulo e da minha grande amiga e irmã de santo Débora.
O local dos trabalhos tinha como chão a areia da praia e como teto a luz das estrelas e o luar. O mar mais adiante, em maré baixa, completava o cenário com suas ondas e o murmúrio das águas era como um chamado de Yemanjá aos presentes.
O tereiro se formou em um pequeno círculo, entre filhos-de-santo, amigos e curiosos que se aproximaram para assistir os trabalhos, chamados pelo som do tambor, muito bem tocado pelo Ogã de atabaque de Mãe Balbina, o seu filho carnal Cláudio.
Os trabalhos mediúnicos se iniciaram e Mãe Balbina entre outras entidades incorporou Rei dos Índios e Mestre Sibamba que nos presentearam com as suas presenças, distribuindo força, e bençãos a todos que ali estavam participando.
Em seguida o Alex, filho-de-santo do Tata Zambi Ingorussi do culto Omolocô Pai César (meu avô no Santo), nos brindou com a presença marcante de Mestre Maximiano. Destaque para a Valda, filha-de-santo de Mãe Balbina, com mais de 20 anos de casa, médium vivida e experiente nas coisas da Umbanda e que, portanto, merece o meu devido respeito e consideração por sua fidelidade a casa de Rei dos Índios. Na mediunidade de Valda se fizeram presentes as entidades Preta-Velha Juliana e Mestre Negô Gerson que firmaram as suas giras de levanta e proteção.
Do meio para o fim desta primeira parte das comemorações, a Mãe Gardênia deu entrada na gira mediúnica trazendo o Mestre Negô Chico Feiticeiro. Mãe Gardênia é filha carnal de Mãe Balbina, filha-de-santo de Pai César, mas que iniciou seu caminho espiritual no terreiro de Rei dos Índios e até hoje é um dos sustentáculos principais desta casa. Trato-a como Mãe-de-Santo, pois assim a vejo. Mãe Gardênia é uma médium dedicada aos seus guias espirituais (Caboclo Tupinambá, Mestre Negô Chico Feiticeiro, Preta-Velha Mãe Maria, Menina Tapuia e Pomba-gira Maria Padilha), zeladora de santo (Orixá Xangô e Yansã), estimada e querida pelo seu Pai-de-Santo no culto Omolocô Pai César e umbandista que completou em cerimônia belíssima, no terreiro de Mãe Balbina, 21 anos de batizado na Umbanda. Seu amor pela Umbanda e sua dedicação aos trabalhos espirituais é incontestável.
Destaco ainda a dedicação fiel e o trabalho atento e responsável da cambona de Mãe Balbina, Gadena, presença sempre importante para a condução e organização dos trabalhos espirituais desta casa.
Senti a ausência da Kássia, irmã carnal de Mãe Gardênia, filha de Mestre Raimundão e de seu esposo Fernando, ambos filhos-de-santo de Mãe Balbina, que com certeza teriam ainda mais abrilhantado a cerimônia, com suas participações e fé.
No término das incorporações mediúnicas, todos fomos a beira do mar, tendo a frente Mãe Balbina, que realizou uma chamada as forças do mar sagrado, rendeu homengens a Yemanjá e ao povo do mar e distribui suas bençãos com uma oferenda simples, mas de bastante fundamento, aspergindo sobre a cabeça de todos uma chuva de arroz e perfume cruzado no seu santuário.
A cerimônia encerrou com todos os presentes formando um círculo, rezando e cantando no final a Oração de São Francisco.
Quanto mim... Sou apenas um visitante, um umbandista que digo que continuarei sendo, mesmo quando acontecer de não existir terreiros de umbanda. Sou um umbandista que sei reconhecer quando vejo, acompanho e participo de um trabalho, uma gira, uma corrente de fé e vibração equilibrada, seja na casa da minha mãe-de-santo, no templo do meu avô-de-santo, em qualquer lugar que dignifique o bom nome da Umbanda, como assim acontece dentro do terreio de Mãe Balbina.
Ponto para Umbanda!
Dormi esta noite com a certeza que fui agraciado com bençãos e cumpri mais uma vez o meu dever espiritual.
Obrigado, Mãe Balbina pelo convite, a acolhida e por seu axé!
Obrigado Mãe Gardênia pela sua amizade, respeito e consideração!
Obrigado a todos os presentes por me permitirem mais esta alegria em nossa religião.

Marcadores: , ,

5 Comentários:

Anonymous Tânia Franco Bueno disse...

Que lindas suas palavras...Me senti transportada a beira mar, e vivi juntamente com voces, apesar de uma distância infinita, a benção dos Orixás!!!Parabens Caio de Omulu, por conseguir transmitir sentimentos tão cheios de amor e tão puros pela nossa amada Umbanda!!!
Tânia Franco Bueno - Rio Claro/SP

10:08 AM  
Anonymous Adriana disse...

Estive hoje, dia 15, prestigiando os lindos festejos oferecidos a Iemanjá na Praia do Futuro. É emocionante os cânticos, as danças, a espiritualidade que nos inspira. Ao ler teu texto fiquei na vontade imensa de ter ido também no dia 14 e ter o prazer de apreciar tão lindo cenário natural que tão bem descreves em teu texto, mas de qualquer forma recebemos as bênçãos dos Orixás!

Axé

9:51 PM  
Blogger diego de oxossi disse...

amei e tambem sou do sarava e pra vcs saravvaaaaaaaaa

4:23 PM  
Blogger Alene Barbosa disse...

não cnheço essa religião, sou filha de plácido barbosa um umbandista que ja faleceu mais, ñ conheço muito gostaria de conhecer, axei lindo o q disse...
queria conhecer mais...

5:08 PM  
Blogger Alene Barbosa disse...

não conheço bem a religião, mais sou filha de plácido barbosa um umbandista que ja faleceu, mais gostaria de conhecer.., se possívél...

5:10 PM  

Postar um comentário

<< Home